Outro

Prisioneiros italianos estão fazendo um dos vinhos mais incomuns de seu país

Prisioneiros italianos estão fazendo um dos vinhos mais incomuns de seu país


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 2012, quando Lamberto Frescobaldi se tornou parceiro do governo italiano para fazer um vinho especial usando trabalho prisional na ilha penal de Gorgona - parte do arquipélago toscano que inclui Elba, onde Napoleão estava em prisão domiciliar em 1814 - ele percebeu que o tarefa seria mais árdua do que a maioria das outras que enfrentaram os negócios de sua família nas últimas 30 gerações.

“Uma vez, em julho de 2015, enquanto estava em Górgona, vi alguns cachos de uva que tinham bolor”, diz Frescobaldi. “Eu sabia que tínhamos que usar enxofre rapidamente, e a melhor hora para administrá-lo era na manhã seguinte, ao amanhecer, o horário mais frio do dia. No entanto, o preso responsável me disse que ele não poderia fazer isso. Eu perguntei: 'Por que não?' Mas então ele acrescentou: ‘Vamos colocar desta forma - podemos simplesmente deixar a porta aberta’ ”.

Agora, quase seis anos depois que Frescobaldi entrou no que sua empresa chama de "iniciativa de causas sociais", a empresa completou cinco safras de muito sucesso de vinho branco Gorgona, produziu a primeira safra de um tinto e recentemente adicionou meio acre de novas vinhas para complementar os dois hectares e meio do vinhedo original.

Como chefe da empresa da família Frescobaldi e supervisor do projeto Gorgona, Frescobaldi esteve em Nova York recentemente para discutir o que se tornou seu projeto favorito - um que não apenas produz um vinho distinto, mas que também fornece um campo treinado para suas principais vinícolas e trabalhadores de adega depois de deixarem suas celas e iniciarem o caminho da reabilitação.

Além do estranho arranjo de fazer vinho em uma pequena ilha que se projeta do Mediterrâneo a 90 minutos de barco a oeste de Livorno e cujo objetivo principal é abrigar infratores, Frescobaldi diz que o cultivo de uvas em Gorgona apresenta seu próprio conjunto de desafios vitícolas. “O vinhedo foi plantado voltado para o leste e o clima é muito quente lá”, afirma. “Mas o grande desafio é o vento, principalmente em maio e em agosto. Pode quebrar as canas, e o sal do mar às vezes queima as folhas. ”

O vinho branco produzido ali - simplesmente chamado de Gorgona - é feito de uma combinação de vermentino, uma variedade branca de importância crescente na Itália e na França (onde também é conhecida como rolle), e uma variedade nativa chamada ansonica, uma uva que raramente recebeu elogios. “Quando eu era criança”, brinca Frescobaldi, “teríamos usado seu suco para limpar mesas”.

Mas a mistura funciona. Como Frescobaldi preside uma rara degustação vertical dessas cinco primeiras safras, surgem as características comuns dos blends: bom frutado no início, talvez um toque de eucalipto, depois algumas notas de creme seguidas de um final nítido. O suco é fermentado principalmente em tanques de inox, com um pouco em barricas. “Em seguida, enviamos em barris para o continente - da forma como costumavam enviar Bordéus -, resfriamos e depois engarrafamos.” O vinho é vendido por cerca de US $ 100 a garrafa.

Frescobaldi também trouxe com ele a primeira safra de tinto Gorgona, feito de sangiovese, a principal uva da Toscana, e uma variedade incomum chamada vermentino rosso. Foi envelhecido em potes de terracota, em parte como um experimento, em parte porque era o único recipiente disponível. Seu sabor é tipicamente toscano, oferecendo sabores de cereja e amora com peso médio, um pouco de cremosidade e um final um tanto crocante. Foram 660 garrafas de 2015 - que Frescobaldi chama de “uma safra muito boa” - mas ainda não foi vendida nos EUA.

Os rótulos são únicos. Eles são grandes e, em vez de serem colados na garrafa, são enrolados em volta dela e presos com um selo de cera (muito fácil de destacar). Frescobaldi lembra que tinha em mente aquelas ocasiões especiais em que as pessoas estão se divertindo e querem tirar o rótulo, assiná-lo e guardá-lo como lembrança.

Quando Frescobaldi disse a seu advogado que queria empregar presidiários para fazer o vinho, o advogado respondeu: "Você é louco. Então você teria que ser responsável por eles ". Frescobaldi respondeu:" Tenho mais de 500 pessoas trabalhando para mim. Se eu tivesse que pensar em ser responsável por cada um deles, eu nunca iria sair da cama. "

Atualmente, há cerca de 95 presos em Gorgona, 18 dos quais trabalham nas vinhas e um faz apenas o trabalho da adega. Há, diz Frescobaldi, uma lista crescente de prisioneiros de outras instituições que pedem permissão para cumprir os últimos meses de seus mandatos em Górgona. “Para alguns desses homens”, observa ele, “trabalhar na vinha por um salário na prisão é o primeiro dinheiro limpo que eles ganharam na vida”.

Nomeamos outro produtor toscano com uma herança de séculos como nossa vinícola do ano de 2016.


Nós perguntamos 10 sons: Por que você ama o vinho italiano?

Entre os grandes países vinícolas do mundo, a Itália é um dos mais diversos. A grande variedade de uvas e estilos oferecidos nas 20 regiões do país pode parecer intimidante no início para aqueles que procuram dominar suas nuances, mas também é a razão pela qual alguns estão continuamente intrigados com os vinhos da Itália.

Perguntamos a alguns dos melhores profissionais de vinho do país o que eles amam no vinho italiano e por quê. A pergunta encontrou respostas longas e complexas. As respostas abordaram o sentido de lugar oferecido nas regiões e variedades de uva favoritas, a longevidade da estrutura e a incrível afinidade dos vinhos pela comida. É claro que o vinho italiano roubou os corações - e paladares - dos melhores somms em todos os lugares.

& # 8220O vinho italiano é amado pelos sommeliers porque nenhuma outra nação vinícola do mundo possui tamanha diversidade vitícola. Existem variedades de uvas específicas para uma única província, até mesmo para cidades isoladas! Em termos de exploração - que é o que significa ser um sommelier - nada se compara à Itália. Além disso, o nível geral de qualidade dos vinhos continua a aumentar; eles não são apenas bons porque são estranhos, mas também são bons porque são bons! & # 8221 - David Lynch, Diretor Editorial, SommSelect

“A Itália tem muitas variedades de uvas que são tradicionais e obscuras ao mesmo tempo, o que mantém os sommeliers engajados. Por meio de minhas viagens pelo campo, especialmente pelo Piemonte, aprendi a confiar na qualidade até mesmo do vino da tavola! ” - Vahan Petrossian, gerente de bebidas, Cleo (Los Angeles)

“Eu adoro vinho italiano! Embora a quantidade de variedades indígenas e denominações específicas possa ser difícil de analisar, há uma grande recompensa, uma vez que alguém consiga gastar tempo desempacotando tudo o que é vinho italiano. A diversidade de estilos vindos de climas continentais e mediterrâneos, desde os Alpes no norte, até não muito longe das costas da África nas ilhas do sul, fazem da Itália um lugar onde se pode encontrar um vinho que combina com quase tudo . ” - Jack Mason, mestre sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“O que mais gosto nos vinhos italianos é que, embora os italianos venham fazendo vinho há milhares de anos, os produtores italianos não estão presos à sua história. Os vinicultores italianos estão constantemente tentando encontrar uvas indígenas raras e regiões há muito esquecidas para fazer vinhos, o que contribui para uma enorme variedade de sabores deliciosos e únicos. Eles também são alguns dos produtores de vinho mais progressistas do mundo e frequentemente ultrapassam os limites do que é possível no vinho. Além disso, você pode obter vinho melhor, dólar por dólar, na Itália do que na maioria dos lugares ao redor do mundo. ” - Joe Campanale, proprietário e diretor de bebidas, Fausto (NYC)

“O vinho italiano, embora seja extremamente favorável à comida, geralmente tem o suficiente de um certo caráter para ser apreciado sozinho também. Normalmente, há tanta acidez e frutas quentes presentes que você não precisa se preocupar com um determinado prato preparando o paladar, ou vice-versa. O vinho italiano também envelhece bem porque muitas vezes há muito tanino, fruta e acidez envolvidos, proporcionando uma boa base para o envelhecimento. Ao longo de um certo período de tempo, esses componentes vão se suavizar ou se misturar de maneiras transformadoras para fazer sabores secundários que só podem surgir com o passar do tempo. ” - Chris Graeff, diretor de bebidas, Lumière (Boston)

& # 8220Qualquer um pode encontrar algo que ame na Itália. É impossível separar cultura, culinária e vinho & # 8230 Na Itália, todas as regiões produzem vinhos, geralmente de uvas que não são encontradas em nenhum outro lugar da Europa, em uma variedade de estilos. E está intrinsecamente ligado à comida servida naquela região. & # 8221 - Jerome Noël, diretor de vinhos, Bellemore (Chicago)

“O que me chama a atenção é a incrível diversidade de variedades indígenas, terroirs, estilos de produção e pontos de acesso para o consumidor curioso e sedento. Parece que um bom vinho pode ser encontrado para todos os paladares e bolsos, e acho que é isso que a torna uma região com a qual tantas pessoas se sentem confortáveis. Eu adoro vinhos brancos picantes, suculentos e salgados das costas da Ligúria e da Campânia, os aromáticos e poderosos tintos do Etna na Sicília, a nobre tradição de Barolo e Barbaresco no norte - eu poderia continuar indefinidamente. ” - Natalie Johnson, diretora de bebidas, Loring Place (NYC)

“Tendo vivido no norte da Itália, os vinhos deste país começam nas pessoas. Os despenseiros da terra e das vinhas cuidam de uma forma que nunca tinha visto antes, as vinhas fazem parte do tecido familiar. Adoro o vinho italiano porque fala uma língua própria, com variedades e sabores que não se pode repetir ou duplicar em nenhuma outra parte do mundo. As uvas italianas e os vinhos que elas produzem trazem de volta lindas lembranças cada vez que as bebo - e bebo muito! ”- Jon McDaniel, Sommelier e CEO, Second City Soil (Chicago)

“As sutilezas de Nebbiolo me fazem querer mais. Embora muitas vezes eu saiba tudo o que há para saber sobre um vinho de estilo moderno depois de alguns goles, os vinhos Nebbiolo tradicionais evoluem por horas, senão dias. Os tintos italianos tradicionais, como o Chianti e o Barolo, têm muita acidez, por isso são extremamente versáteis com a comida e podem envelhecer sem problemas por décadas ”. - Steven Washuta, diretor de vinhos, Felidia (NYC)

“A verdade é que cada região italiana tem uvas únicas e vinhos incríveis, mas algo em comum para desfrutar do vinho com comida tradicional baseada em ingredientes. Mas quando perguntado sobre as regiões favoritas para visitar, gosto de recomendar regiões menos visitadas como Le Marche ou Sicília ou recomendar "quando em Roma & # 8217 para fazer um passeio de trem de 30 minutos para Frascati, Cori ou Olevano. Os visitantes podem descobrir algumas uvas antigas e belas histórias sobre como o vinho se integra à cultura, e a qualidade dessas áreas estão mostrando vinhos como imaginados durante seus dias de glória do Império Romano e antes. ” - Shelley Lindgren, sócia e diretora de vinhos, SPQR e A16 (San Francisco)


Nós perguntamos 10 sons: Por que você ama o vinho italiano?

Entre os grandes países vinícolas do mundo, a Itália é um dos mais diversos. A grande variedade de uvas e estilos oferecidos nas 20 regiões do país pode parecer intimidante no início para aqueles que procuram dominar suas nuances, mas também é a razão pela qual alguns estão continuamente intrigados com os vinhos da Itália.

Perguntamos a alguns dos melhores profissionais de vinho do país o que eles amam no vinho italiano e por quê. A pergunta encontrou respostas longas e complexas. As respostas abordaram o sentido de lugar oferecido nas regiões e variedades de uva favoritas, a longevidade da estrutura e a incrível afinidade dos vinhos pela comida. É claro que o vinho italiano roubou os corações - e paladares - dos melhores somms em todos os lugares.

& # 8220O vinho italiano é amado pelos sommeliers porque nenhuma outra nação vinícola do mundo possui tamanha diversidade vitícola. Existem variedades de uvas específicas para uma única província, até mesmo para cidades isoladas! Em termos de exploração - que é o que significa ser um sommelier - nada se compara à Itália. Além disso, o nível geral de qualidade dos vinhos continua a aumentar; eles não são apenas bons porque são estranhos, mas também são bons porque são bons! & # 8221 - David Lynch, Diretor Editorial, SommSelect

“A Itália tem muitas variedades de uvas que são tradicionais e obscuras ao mesmo tempo, o que mantém os sommeliers engajados. Por meio de minhas viagens pelo campo, especialmente pelo Piemonte, aprendi a confiar na qualidade até mesmo do vino da tavola! ” - Vahan Petrossian, gerente de bebidas, Cleo (Los Angeles)

“Eu adoro vinho italiano! Embora a quantidade de variedades indígenas e denominações específicas possa ser difícil de analisar, há uma grande recompensa quando alguém consegue gastar tempo desempacotando tudo o que é vinho italiano. A diversidade de estilos vindos de climas continentais e mediterrâneos, desde os Alpes no norte, até não muito longe das costas da África nas ilhas do sul, fazem da Itália um lugar onde se pode encontrar um vinho que combina com quase tudo . ” - Jack Mason, mestre sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“O que mais gosto nos vinhos italianos é que, embora os italianos venham fazendo vinho há milhares de anos, os produtores italianos não estão presos à sua história. Os vinicultores italianos estão constantemente tentando encontrar uvas indígenas raras e regiões há muito esquecidas para fazer vinhos, o que contribui para uma enorme variedade de sabores deliciosos e únicos. Eles também são alguns dos produtores de vinho mais progressistas do mundo e frequentemente ultrapassam os limites do que é possível no vinho. Além disso, você pode obter vinho melhor, dólar por dólar, na Itália do que na maioria dos lugares ao redor do mundo. ” - Joe Campanale, proprietário e diretor de bebidas, Fausto (NYC)

“O vinho italiano, embora seja extremamente favorável à comida, geralmente tem o suficiente de um certo caráter para ser apreciado sozinho também. Normalmente, há tanta acidez e frutas quentes presentes que você não precisa se preocupar com um determinado prato preparando o paladar, ou vice-versa. O vinho italiano também envelhece bem porque muitas vezes há muito tanino, fruta e acidez envolvidos, proporcionando uma boa base para o envelhecimento. Ao longo de um certo período de tempo, esses componentes vão se suavizar ou se misturar de maneiras transformadoras para fazer sabores secundários que só podem surgir com o passar do tempo. ” - Chris Graeff, Diretor de Bebidas, Lumière (Boston)

& # 8220Qualquer um pode encontrar algo que ame na Itália. É impossível separar cultura, culinária e vinho & # 8230 Na Itália, todas as regiões produzem vinhos, geralmente de uvas que não são encontradas em nenhum outro lugar da Europa, em uma variedade de estilos. E está intrinsecamente ligado à comida servida naquela região. & # 8221 - Jerome Noël, diretor de vinhos, Bellemore (Chicago)

“O que me chama a atenção é a incrível diversidade de variedades indígenas, terroirs, estilos de produção e pontos de acesso para o consumidor curioso e sedento. Parece que podemos encontrar bons vinhos para todos os paladares e bolsos, e acho que é isso que a torna uma região com a qual tantas pessoas se sentem confortáveis. Eu amo vinhos brancos picantes, suculentos e salgados das costas da Ligúria e da Campânia, os aromáticos e poderosos tintos do Etna na Sicília, a nobre tradição de Barolo e Barbaresco no norte - eu poderia continuar indefinidamente. ” - Natalie Johnson, diretora de bebidas, Loring Place (NYC)

“Tendo vivido no norte da Itália, os vinhos deste país começam nas pessoas. Os despenseiros da terra e das vinhas cuidam de uma forma que nunca tinha visto antes, as vinhas fazem parte do tecido familiar. Adoro o vinho italiano porque fala uma língua própria, com variedades e sabores que não se pode repetir ou duplicar em nenhuma outra parte do mundo. As uvas italianas e os vinhos que elas produzem trazem de volta belas lembranças cada vez que as bebo - e bebo muito! ”- Jon McDaniel, Sommelier e CEO, Second City Soil (Chicago)

“As sutilezas de Nebbiolo me fazem querer mais. Embora muitas vezes eu saiba tudo o que há para saber sobre um vinho de estilo moderno depois de alguns goles, os vinhos Nebbiolo tradicionais evoluem por horas, senão dias. Os tintos italianos tradicionais, como o Chianti e o Barolo, têm muita acidez, por isso são extremamente versáteis com a comida e podem envelhecer sem problemas por décadas ”. - Steven Washuta, diretor de vinhos, Felidia (NYC)

“A verdade é que cada região italiana tem uvas únicas e vinhos incríveis, mas algo em comum para desfrutar do vinho com comida tradicional baseada em ingredientes. Mas quando perguntado sobre as regiões favoritas para visitar, gosto de recomendar regiões menos visitadas como Le Marche ou Sicília ou recomendar "quando em Roma & # 8217 para fazer um passeio de trem de 30 minutos para Frascati, Cori ou Olevano. Os visitantes podem descobrir algumas uvas antigas e belas histórias sobre como o vinho se integra à cultura, e a qualidade dessas áreas está mostrando os vinhos como imaginados durante seus dias de glória do Império Romano e antes. ” - Shelley Lindgren, sócia e diretora de vinhos, SPQR e A16 (San Francisco)


Nós perguntamos 10 sons: Por que você ama o vinho italiano?

Entre os grandes países vinícolas do mundo, a Itália é um dos mais diversos. A grande variedade de uvas e estilos oferecidos nas 20 regiões do país pode parecer intimidante no início para aqueles que procuram dominar suas nuances, mas também é a razão pela qual alguns estão continuamente intrigados com os vinhos italianos.

Perguntamos a alguns dos melhores profissionais de vinho do país o que eles amam no vinho italiano e por quê. A pergunta encontrou respostas longas e complexas. As respostas abordaram o sentido de lugar oferecido nas regiões e variedades de uva favoritas, a longevidade da estrutura e a incrível afinidade dos vinhos pela comida. É claro que o vinho italiano roubou os corações - e paladares - dos melhores somms em todos os lugares.

& # 8220O vinho italiano é amado pelos sommeliers porque nenhuma outra nação vinícola do mundo possui tamanha diversidade vitícola. Existem variedades de uvas específicas para uma única província, até mesmo para cidades isoladas! Em termos de exploração - que é o que significa ser sommelier - nada se compara à Itália. Além disso, o nível geral de qualidade dos vinhos continua a aumentar; eles não são apenas bons porque são estranhos, mas também são bons porque são bons! & # 8221 - David Lynch, Diretor Editorial, SommSelect

“A Itália tem muitas variedades de uvas que são tradicionais e obscuras ao mesmo tempo, o que mantém os sommeliers engajados. Por meio de minhas viagens pelo campo, especialmente pelo Piemonte, aprendi a confiar na qualidade até mesmo do vino da tavola! ” - Vahan Petrossian, gerente de bebidas, Cleo (Los Angeles)

“Eu adoro vinho italiano! Embora a quantidade de variedades indígenas e denominações específicas possa ser difícil de analisar, há uma grande recompensa, uma vez que alguém consiga gastar tempo desempacotando tudo o que é vinho italiano. A diversidade de estilos vindos de climas continentais e mediterrâneos, desde os Alpes no norte, até não muito longe das costas da África nas ilhas do sul, fazem da Itália um lugar onde se pode encontrar um vinho que combina com quase tudo . ” - Jack Mason, mestre sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“O que mais gosto nos vinhos italianos é que, embora os italianos venham fazendo vinho há milhares de anos, os produtores italianos não estão presos à sua história. Os vinicultores italianos estão constantemente tentando encontrar uvas indígenas raras e regiões há muito esquecidas para fazer vinhos, o que contribui para uma enorme variedade de sabores deliciosos e únicos. Eles também são alguns dos produtores de vinho mais progressistas do mundo e frequentemente ultrapassam os limites do que é possível no vinho. Além disso, você pode obter vinho melhor, dólar por dólar, na Itália do que na maioria dos lugares ao redor do mundo. ” - Joe Campanale, proprietário e diretor de bebidas, Fausto (NYC)

“O vinho italiano, embora seja extremamente favorável à comida, geralmente tem o suficiente de um certo caráter para ser apreciado sozinho. Normalmente, há tanta acidez e frutas quentes presentes que você não precisa se preocupar com um determinado prato preparando o paladar, ou vice-versa. O vinho italiano também envelhece bem porque muitas vezes há muito tanino, fruta e acidez envolvidos, proporcionando uma boa base para o envelhecimento. Ao longo de um certo período de tempo, esses componentes vão se suavizar ou se misturar de maneiras transformadoras para fazer sabores secundários que só podem surgir com o passar do tempo. ” - Chris Graeff, diretor de bebidas, Lumière (Boston)

& # 8220Qualquer pessoa pode encontrar algo que ame na Itália. É impossível separar cultura, culinária e vinho & # 8230 Na Itália, todas as regiões produzem vinhos, geralmente de uvas que não são encontradas em nenhum outro lugar da Europa, em uma variedade de estilos. E está intrinsecamente ligado à comida servida naquela região. & # 8221 - Jerome Noël, diretor de vinhos, Bellemore (Chicago)

“O que me chama a atenção é a incrível diversidade de variedades indígenas, terroirs, estilos de produção e pontos de acesso para o consumidor curioso e sedento. Parece que podemos encontrar bons vinhos para todos os paladares e bolsos, e acho que é isso que a torna uma região com a qual tantas pessoas se sentem confortáveis. Eu amo vinhos brancos picantes, suculentos e salgados das costas da Ligúria e da Campânia, os aromáticos e poderosos tintos do Etna na Sicília, a nobre tradição de Barolo e Barbaresco no norte - eu poderia continuar indefinidamente. ” - Natalie Johnson, diretora de bebidas, Loring Place (NYC)

“Tendo vivido no norte da Itália, os vinhos deste país começam nas pessoas. Os despenseiros da terra e das vinhas cuidam de uma forma que nunca tinha visto antes, as vinhas fazem parte do tecido familiar. Adoro o vinho italiano porque fala uma língua própria, com variedades e sabores que não se pode repetir ou duplicar em nenhuma outra parte do mundo. As uvas italianas e os vinhos que elas produzem trazem de volta lindas lembranças cada vez que as bebo - e bebo muito! ”- Jon McDaniel, Sommelier e CEO, Second City Soil (Chicago)

“As sutilezas de Nebbiolo me fazem querer mais. Embora muitas vezes eu saiba tudo o que há para saber sobre um vinho de estilo moderno depois de alguns goles, os vinhos Nebbiolo tradicionais evoluem por horas, senão dias. Os tintos italianos tradicionais, como o Chianti e o Barolo, têm muita acidez, por isso são extremamente versáteis com a comida e podem envelhecer sem problemas por décadas ”. - Steven Washuta, diretor de vinhos, Felidia (NYC)

“A verdade é que cada região italiana tem uvas únicas e vinhos incríveis, mas algo em comum para desfrutar do vinho com comida tradicional baseada em ingredientes. Mas quando perguntado sobre as regiões favoritas para visitar, eu gosto de recomendar regiões menos visitadas como Le Marche ou Sicília ou recomendar "quando em Roma & # 8217 para fazer um passeio de trem de 30 minutos para Frascati, Cori ou Olevano. Os visitantes podem descobrir algumas uvas antigas e belas histórias sobre como o vinho se integra à cultura, e a qualidade dessas áreas estão mostrando os vinhos como imaginados durante seus dias de glória do Império Romano e antes. ” - Shelley Lindgren, sócia e diretora de vinhos, SPQR e A16 (San Francisco)


Nós perguntamos 10 sons: Por que você ama o vinho italiano?

Entre os grandes países vinícolas do mundo, a Itália é um dos mais diversos. A grande variedade de uvas e estilos oferecidos nas 20 regiões do país pode parecer intimidante no início para aqueles que procuram dominar suas nuances, mas também é a razão pela qual alguns estão continuamente intrigados com os vinhos da Itália.

Perguntamos a alguns dos melhores profissionais de vinho do país o que eles amam no vinho italiano e por quê. A pergunta encontrou respostas longas e complexas. As respostas abordaram o sentido de lugar oferecido nas regiões e variedades de uva favoritas, a longevidade da estrutura e a incrível afinidade dos vinhos pela comida. É claro que o vinho italiano roubou os corações - e paladares - dos melhores somms em todos os lugares.

& # 8220O vinho italiano é amado pelos sommeliers porque nenhuma outra nação vinícola do mundo possui tamanha diversidade vitícola. Existem variedades de uvas específicas para uma única província, até mesmo para cidades isoladas! Em termos de exploração - que é o que significa ser um sommelier - nada se compara à Itália. Além disso, o nível geral de qualidade dos vinhos continua a aumentar; eles não são apenas bons porque são estranhos, mas também são bons porque são bons! & # 8221 - David Lynch, Diretor Editorial, SommSelect

“A Itália tem muitas variedades de uvas que são tradicionais e obscuras ao mesmo tempo, o que mantém os sommeliers engajados. Por meio de minhas viagens pelo campo, especialmente pelo Piemonte, aprendi a confiar na qualidade até mesmo do vino da tavola! ” - Vahan Petrossian, gerente de bebidas, Cleo (Los Angeles)

“Eu adoro vinho italiano! Embora a quantidade de variedades indígenas e denominações específicas possa ser difícil de analisar, há uma grande recompensa, uma vez que alguém consiga gastar tempo desempacotando tudo o que é vinho italiano. A diversidade de estilos vindos de climas continentais e mediterrâneos, desde os Alpes no norte, até não muito longe das costas da África nas ilhas do sul, fazem da Itália um lugar onde se pode encontrar um vinho que combina com quase tudo . ” - Jack Mason, mestre sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“O que mais amo nos vinhos italianos é que, embora os italianos venham fazendo vinho há milhares de anos, os produtores italianos não estão presos à sua história. Os vinicultores italianos estão constantemente tentando encontrar uvas indígenas raras e regiões há muito esquecidas para fazer vinhos, o que contribui para uma enorme variedade de sabores deliciosos e únicos. Eles também são alguns dos produtores de vinho mais progressistas do mundo e frequentemente ultrapassam os limites do que é possível no vinho. Além disso, você pode obter vinho melhor, dólar por dólar, na Itália do que na maioria dos lugares ao redor do mundo. ” - Joe Campanale, proprietário e diretor de bebidas, Fausto (NYC)

“O vinho italiano, embora seja extremamente favorável à comida, geralmente tem o suficiente de um certo caráter para ser apreciado sozinho também. Normalmente, há tanta acidez e frutas quentes presentes que você não precisa se preocupar com um determinado prato preparando o paladar, ou vice-versa. O vinho italiano também envelhece bem porque muitas vezes há muito tanino, fruta e acidez envolvidos, proporcionando uma boa base para o envelhecimento. Ao longo de um certo período de tempo, esses componentes vão se suavizar ou se misturar de maneiras transformadoras para fazer sabores secundários que só podem surgir com o passar do tempo. ” - Chris Graeff, diretor de bebidas, Lumière (Boston)

& # 8220Qualquer um pode encontrar algo que ame na Itália. É impossível separar cultura, culinária e vinho & # 8230 Na Itália, todas as regiões produzem vinhos, geralmente de uvas que não são encontradas em nenhum outro lugar da Europa, em uma variedade de estilos. E está intrinsecamente ligado à comida servida naquela região. & # 8221 - Jerome Noël, diretor de vinhos, Bellemore (Chicago)

“O que me chama a atenção é a incrível diversidade de variedades indígenas, terroirs, estilos de produção e pontos de acesso para o consumidor curioso e sedento. Parece que um bom vinho pode ser encontrado para todos os paladares e bolsos, e acho que é isso que a torna uma região com a qual tantas pessoas se sentem confortáveis. Eu adoro vinhos brancos picantes, suculentos e salgados das costas da Ligúria e da Campânia, os aromáticos e poderosos tintos do Etna na Sicília, a nobre tradição de Barolo e Barbaresco no norte - eu poderia continuar indefinidamente. ” - Natalie Johnson, diretora de bebidas, Loring Place (NYC)

“Tendo vivido no norte da Itália, os vinhos deste país começam nas pessoas. Os despenseiros da terra e das vinhas cuidam de uma forma que nunca tinha visto antes, as vinhas fazem parte do tecido familiar. Adoro o vinho italiano porque fala uma língua própria, com variedades e sabores que não se pode repetir ou duplicar em nenhuma outra parte do mundo. As uvas italianas e os vinhos que elas produzem trazem de volta belas lembranças cada vez que as bebo - e bebo muito! ”- Jon McDaniel, Sommelier e CEO, Second City Soil (Chicago)

“As sutilezas de Nebbiolo me fazem querer mais. Embora muitas vezes eu saiba tudo o que há para saber sobre um vinho de estilo moderno depois de alguns goles, os vinhos Nebbiolo tradicionais evoluem por horas, senão dias. Os tintos italianos tradicionais, como o Chianti e o Barolo, têm muita acidez, por isso são extremamente versáteis com a comida e podem envelhecer sem problemas por décadas ”. - Steven Washuta, diretor de vinhos, Felidia (NYC)

“A verdade é que cada região italiana tem uvas únicas e vinhos incríveis, mas algo em comum para desfrutar do vinho com comida tradicional baseada em ingredientes. Mas quando perguntado sobre as regiões favoritas para visitar, gosto de recomendar regiões menos visitadas como Le Marche ou Sicília ou recomendar "quando em Roma & # 8217 para fazer um passeio de trem de 30 minutos para Frascati, Cori ou Olevano. Os visitantes podem descobrir algumas uvas antigas e belas histórias sobre como o vinho se integra à cultura, e a qualidade dessas áreas está mostrando os vinhos como imaginados durante seus dias de glória do Império Romano e antes. ” - Shelley Lindgren, sócia e diretora de vinhos, SPQR e A16 (San Francisco)


Nós perguntamos 10 sons: Por que você ama o vinho italiano?

Entre os grandes países vinícolas do mundo, a Itália é um dos mais diversos. A grande variedade de uvas e estilos oferecidos nas 20 regiões do país pode parecer intimidante no início para aqueles que procuram dominar suas nuances, mas também é a razão pela qual alguns estão continuamente intrigados com os vinhos da Itália.

Perguntamos a alguns dos melhores profissionais de vinho do país o que eles amam no vinho italiano e por quê. A pergunta encontrou respostas longas e complexas. As respostas abordaram o sentido de lugar oferecido nas regiões e variedades de uva favoritas, a longevidade da estrutura e a incrível afinidade dos vinhos pela comida. É claro que o vinho italiano roubou os corações - e paladares - dos melhores somms em todos os lugares.

& # 8220O vinho italiano é amado pelos sommeliers porque nenhuma outra nação vinícola do mundo possui tamanha diversidade vitícola. Existem variedades de uvas específicas para uma única província, até mesmo para cidades isoladas! Em termos de exploração - que é o que significa ser um sommelier - nada se compara à Itália. Além disso, o nível geral de qualidade dos vinhos continua a subir; eles não são apenas bons porque são estranhos, mas também são bons porque são bons! & # 8221 - David Lynch, Diretor Editorial, SommSelect

“A Itália tem muitas variedades de uvas que são tradicionais e obscuras ao mesmo tempo, o que mantém os sommeliers engajados. Por meio de minhas viagens pelo campo, especialmente pelo Piemonte, aprendi a confiar na qualidade até mesmo do vino da tavola! ” - Vahan Petrossian, Beverage Manager, Cleo (Los Angeles)

“I love Italian wine! Although the amount of indigenous varietals and specific appellations might be cumbersome to dig into, there is great reward once one is able to spend time unpacking all that is Italian wine. The diversity of styles coming from continental to Mediterranean climates, all the way from the Alps in the north, to not too far from the shores of Africa in the southern islands, make Italy a place where one can find a wine to pair with almost anything.” - Jack Mason, Master Sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“What I love most about Italian wines is that, though Italians have been making wine for thousands of years, Italian producers aren’t shackled by their history. Italian winemakers are constantly trying to find rare indigenous grapes and long-forgotten regions to make wines from, which contributes to a huge variety of delicious and unique flavors. They are also some of the most progressive winemakers in the world and frequently push the boundaries for what is possible in wine. Plus, you can get better wine, dollar for dollar, in Italy than in most places around the world.” - Joe Campanale, Owner and Beverage Director, Fausto (NYC)

“Italian wine, while extremely food-friendly, usually has enough of a certain character to be enjoyed on its own as well. Typically, there’s so much acidity and warm fruit present that you don’t have to worry about a certain dish priming the palate, or vice versa. Italian wine also ages well because there’s often a lot of tannin, fruit, and acidity involved, providing a good backbone for aging. Over a certain period of time, those components will soften or commingle in transformative ways to make secondary flavors that can only come with the passage of time.” - Chris Graeff, Beverage Director, Lumière (Boston)

“Anyone can find something they love in Italy. It is impossible to separate culture, cuisine, and wine… In Italy, every region makes wine, often from grapes found nowhere else in Europe, in a range of styles. And it’s intrinsically tied to the food served in that region.” – Jerome Noël, Wine Director, Bellemore (Chicago)

“What stands out to me is the incredible diversity of indigenous varieties, terroirs, production styles, and points of access for the curious and thirsty consumer. It seems like great wine can be found for every palate and budget, and I think that is what makes it a region that so many people feel comfortable with. I love spicy, juicy, salty white wines from the Ligurian and Campanian coasts the aromatic, powerful reds from Etna in Sicily the noble tradition of Barolo and Barbaresco in the north – I could go on and on.” - Natalie Johnson, Beverage Director, Loring Place (NYC)

“Having lived in northern Italy, the wines of this country start with the people. The stewards of the land and vines care in a way that I have never seen before the vines are part of the family fabric. I love Italian wine because it speaks a language of its own, with varieties and tastes that you cannot repeat or duplicate in any other area of the world. Italian grapes and the wines they produce bring back beautiful memories every time I drink them – and I drink a lot of them!”– Jon McDaniel, Sommelier and CEO, Second City Soil (Chicago)

“The subtleties of Nebbiolo keep me wanting more. While I often know all there is to know about a modern-style wine after a few sips, traditional Nebbiolo wines evolve for hours, if not days. Traditional Italian reds, such as Chianti and Barolo, have tons of acidity, so they are extremely versatile with food and can age seamlessly for decades.” - Steven Washuta, Wine Director, Felidia (NYC)

“The truth is that every Italian region has unique grapes and incredible wines yet a commonality shared for enjoying wine with ingredient-driven, traditional food. But when asked for favorite regions to visit, I like to recommend less-traveled regions like Le Marche or Sicily or recommend ‘when in Rome’ to take a 30-minute train ride to Frascati, Cori, or Olevano. Visitors can discover some ancient grapes and beautiful stories about how wine is integrated with the culture, and the quality of these areas are showing wines as imagined during their glory days of the Roman Empire and before.” - Shelley Lindgren, Partner and Wine Director, SPQR and A16 (San Francisco)


We Asked 10 Somms: Why Do You Love Italian Wine?

Among the great wine countries of the world, Italy is one of the most diverse. The sheer variety of grapes and styles offered within the country’s 20 regions can seem intimidating at first to those looking to master its nuances, but it’s also the reason why somms are continually intrigued by Italy’s wines.

We asked some of the country’s top wine professionals what they love about Italian wine and why. The question was met with long, complex responses. Answers touched on the sense of place offered in favorite regions and grape varieties, the longevity of structure, and the wines’ incredible affinity for food. It’s clear that Italian wine has stolen the hearts – and palates – of top somms everywhere.

“Italian wine is beloved by sommeliers because no other wine nation in the world has such viticultural diversity. There are grape varieties specific to single provinces, even single towns! In terms of exploration – which is what being a sommelier is all about – nothing compares to Italy. Moreover, the overall quality level of the wines continues to rise they’re not just good because they’re weird, they’re good because they’re good!” – David Lynch, Editorial Director, SommSelect

“Italy has many grape varieties that are both traditional and obscure at the same time, which keeps sommeliers engaged. Through my travels of the countryside, particularly through Piedmont, I’ve learned to trust the quality of even the vino da tavola!” - Vahan Petrossian, Beverage Manager, Cleo (Los Angeles)

“I love Italian wine! Although the amount of indigenous varietals and specific appellations might be cumbersome to dig into, there is great reward once one is able to spend time unpacking all that is Italian wine. The diversity of styles coming from continental to Mediterranean climates, all the way from the Alps in the north, to not too far from the shores of Africa in the southern islands, make Italy a place where one can find a wine to pair with almost anything.” - Jack Mason, Master Sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“What I love most about Italian wines is that, though Italians have been making wine for thousands of years, Italian producers aren’t shackled by their history. Italian winemakers are constantly trying to find rare indigenous grapes and long-forgotten regions to make wines from, which contributes to a huge variety of delicious and unique flavors. They are also some of the most progressive winemakers in the world and frequently push the boundaries for what is possible in wine. Plus, you can get better wine, dollar for dollar, in Italy than in most places around the world.” - Joe Campanale, Owner and Beverage Director, Fausto (NYC)

“Italian wine, while extremely food-friendly, usually has enough of a certain character to be enjoyed on its own as well. Typically, there’s so much acidity and warm fruit present that you don’t have to worry about a certain dish priming the palate, or vice versa. Italian wine also ages well because there’s often a lot of tannin, fruit, and acidity involved, providing a good backbone for aging. Over a certain period of time, those components will soften or commingle in transformative ways to make secondary flavors that can only come with the passage of time.” - Chris Graeff, Beverage Director, Lumière (Boston)

“Anyone can find something they love in Italy. It is impossible to separate culture, cuisine, and wine… In Italy, every region makes wine, often from grapes found nowhere else in Europe, in a range of styles. And it’s intrinsically tied to the food served in that region.” – Jerome Noël, Wine Director, Bellemore (Chicago)

“What stands out to me is the incredible diversity of indigenous varieties, terroirs, production styles, and points of access for the curious and thirsty consumer. It seems like great wine can be found for every palate and budget, and I think that is what makes it a region that so many people feel comfortable with. I love spicy, juicy, salty white wines from the Ligurian and Campanian coasts the aromatic, powerful reds from Etna in Sicily the noble tradition of Barolo and Barbaresco in the north – I could go on and on.” - Natalie Johnson, Beverage Director, Loring Place (NYC)

“Having lived in northern Italy, the wines of this country start with the people. The stewards of the land and vines care in a way that I have never seen before the vines are part of the family fabric. I love Italian wine because it speaks a language of its own, with varieties and tastes that you cannot repeat or duplicate in any other area of the world. Italian grapes and the wines they produce bring back beautiful memories every time I drink them – and I drink a lot of them!”– Jon McDaniel, Sommelier and CEO, Second City Soil (Chicago)

“The subtleties of Nebbiolo keep me wanting more. While I often know all there is to know about a modern-style wine after a few sips, traditional Nebbiolo wines evolve for hours, if not days. Traditional Italian reds, such as Chianti and Barolo, have tons of acidity, so they are extremely versatile with food and can age seamlessly for decades.” - Steven Washuta, Wine Director, Felidia (NYC)

“The truth is that every Italian region has unique grapes and incredible wines yet a commonality shared for enjoying wine with ingredient-driven, traditional food. But when asked for favorite regions to visit, I like to recommend less-traveled regions like Le Marche or Sicily or recommend ‘when in Rome’ to take a 30-minute train ride to Frascati, Cori, or Olevano. Visitors can discover some ancient grapes and beautiful stories about how wine is integrated with the culture, and the quality of these areas are showing wines as imagined during their glory days of the Roman Empire and before.” - Shelley Lindgren, Partner and Wine Director, SPQR and A16 (San Francisco)


We Asked 10 Somms: Why Do You Love Italian Wine?

Among the great wine countries of the world, Italy is one of the most diverse. The sheer variety of grapes and styles offered within the country’s 20 regions can seem intimidating at first to those looking to master its nuances, but it’s also the reason why somms are continually intrigued by Italy’s wines.

We asked some of the country’s top wine professionals what they love about Italian wine and why. The question was met with long, complex responses. Answers touched on the sense of place offered in favorite regions and grape varieties, the longevity of structure, and the wines’ incredible affinity for food. It’s clear that Italian wine has stolen the hearts – and palates – of top somms everywhere.

“Italian wine is beloved by sommeliers because no other wine nation in the world has such viticultural diversity. There are grape varieties specific to single provinces, even single towns! In terms of exploration – which is what being a sommelier is all about – nothing compares to Italy. Moreover, the overall quality level of the wines continues to rise they’re not just good because they’re weird, they’re good because they’re good!” – David Lynch, Editorial Director, SommSelect

“Italy has many grape varieties that are both traditional and obscure at the same time, which keeps sommeliers engaged. Through my travels of the countryside, particularly through Piedmont, I’ve learned to trust the quality of even the vino da tavola!” - Vahan Petrossian, Beverage Manager, Cleo (Los Angeles)

“I love Italian wine! Although the amount of indigenous varietals and specific appellations might be cumbersome to dig into, there is great reward once one is able to spend time unpacking all that is Italian wine. The diversity of styles coming from continental to Mediterranean climates, all the way from the Alps in the north, to not too far from the shores of Africa in the southern islands, make Italy a place where one can find a wine to pair with almost anything.” - Jack Mason, Master Sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“What I love most about Italian wines is that, though Italians have been making wine for thousands of years, Italian producers aren’t shackled by their history. Italian winemakers are constantly trying to find rare indigenous grapes and long-forgotten regions to make wines from, which contributes to a huge variety of delicious and unique flavors. They are also some of the most progressive winemakers in the world and frequently push the boundaries for what is possible in wine. Plus, you can get better wine, dollar for dollar, in Italy than in most places around the world.” - Joe Campanale, Owner and Beverage Director, Fausto (NYC)

“Italian wine, while extremely food-friendly, usually has enough of a certain character to be enjoyed on its own as well. Typically, there’s so much acidity and warm fruit present that you don’t have to worry about a certain dish priming the palate, or vice versa. Italian wine also ages well because there’s often a lot of tannin, fruit, and acidity involved, providing a good backbone for aging. Over a certain period of time, those components will soften or commingle in transformative ways to make secondary flavors that can only come with the passage of time.” - Chris Graeff, Beverage Director, Lumière (Boston)

“Anyone can find something they love in Italy. It is impossible to separate culture, cuisine, and wine… In Italy, every region makes wine, often from grapes found nowhere else in Europe, in a range of styles. And it’s intrinsically tied to the food served in that region.” – Jerome Noël, Wine Director, Bellemore (Chicago)

“What stands out to me is the incredible diversity of indigenous varieties, terroirs, production styles, and points of access for the curious and thirsty consumer. It seems like great wine can be found for every palate and budget, and I think that is what makes it a region that so many people feel comfortable with. I love spicy, juicy, salty white wines from the Ligurian and Campanian coasts the aromatic, powerful reds from Etna in Sicily the noble tradition of Barolo and Barbaresco in the north – I could go on and on.” - Natalie Johnson, Beverage Director, Loring Place (NYC)

“Having lived in northern Italy, the wines of this country start with the people. The stewards of the land and vines care in a way that I have never seen before the vines are part of the family fabric. I love Italian wine because it speaks a language of its own, with varieties and tastes that you cannot repeat or duplicate in any other area of the world. Italian grapes and the wines they produce bring back beautiful memories every time I drink them – and I drink a lot of them!”– Jon McDaniel, Sommelier and CEO, Second City Soil (Chicago)

“The subtleties of Nebbiolo keep me wanting more. While I often know all there is to know about a modern-style wine after a few sips, traditional Nebbiolo wines evolve for hours, if not days. Traditional Italian reds, such as Chianti and Barolo, have tons of acidity, so they are extremely versatile with food and can age seamlessly for decades.” - Steven Washuta, Wine Director, Felidia (NYC)

“The truth is that every Italian region has unique grapes and incredible wines yet a commonality shared for enjoying wine with ingredient-driven, traditional food. But when asked for favorite regions to visit, I like to recommend less-traveled regions like Le Marche or Sicily or recommend ‘when in Rome’ to take a 30-minute train ride to Frascati, Cori, or Olevano. Visitors can discover some ancient grapes and beautiful stories about how wine is integrated with the culture, and the quality of these areas are showing wines as imagined during their glory days of the Roman Empire and before.” - Shelley Lindgren, Partner and Wine Director, SPQR and A16 (San Francisco)


We Asked 10 Somms: Why Do You Love Italian Wine?

Among the great wine countries of the world, Italy is one of the most diverse. The sheer variety of grapes and styles offered within the country’s 20 regions can seem intimidating at first to those looking to master its nuances, but it’s also the reason why somms are continually intrigued by Italy’s wines.

We asked some of the country’s top wine professionals what they love about Italian wine and why. The question was met with long, complex responses. Answers touched on the sense of place offered in favorite regions and grape varieties, the longevity of structure, and the wines’ incredible affinity for food. It’s clear that Italian wine has stolen the hearts – and palates – of top somms everywhere.

“Italian wine is beloved by sommeliers because no other wine nation in the world has such viticultural diversity. There are grape varieties specific to single provinces, even single towns! In terms of exploration – which is what being a sommelier is all about – nothing compares to Italy. Moreover, the overall quality level of the wines continues to rise they’re not just good because they’re weird, they’re good because they’re good!” – David Lynch, Editorial Director, SommSelect

“Italy has many grape varieties that are both traditional and obscure at the same time, which keeps sommeliers engaged. Through my travels of the countryside, particularly through Piedmont, I’ve learned to trust the quality of even the vino da tavola!” - Vahan Petrossian, Beverage Manager, Cleo (Los Angeles)

“I love Italian wine! Although the amount of indigenous varietals and specific appellations might be cumbersome to dig into, there is great reward once one is able to spend time unpacking all that is Italian wine. The diversity of styles coming from continental to Mediterranean climates, all the way from the Alps in the north, to not too far from the shores of Africa in the southern islands, make Italy a place where one can find a wine to pair with almost anything.” - Jack Mason, Master Sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“What I love most about Italian wines is that, though Italians have been making wine for thousands of years, Italian producers aren’t shackled by their history. Italian winemakers are constantly trying to find rare indigenous grapes and long-forgotten regions to make wines from, which contributes to a huge variety of delicious and unique flavors. They are also some of the most progressive winemakers in the world and frequently push the boundaries for what is possible in wine. Plus, you can get better wine, dollar for dollar, in Italy than in most places around the world.” - Joe Campanale, Owner and Beverage Director, Fausto (NYC)

“Italian wine, while extremely food-friendly, usually has enough of a certain character to be enjoyed on its own as well. Typically, there’s so much acidity and warm fruit present that you don’t have to worry about a certain dish priming the palate, or vice versa. Italian wine also ages well because there’s often a lot of tannin, fruit, and acidity involved, providing a good backbone for aging. Over a certain period of time, those components will soften or commingle in transformative ways to make secondary flavors that can only come with the passage of time.” - Chris Graeff, Beverage Director, Lumière (Boston)

“Anyone can find something they love in Italy. It is impossible to separate culture, cuisine, and wine… In Italy, every region makes wine, often from grapes found nowhere else in Europe, in a range of styles. And it’s intrinsically tied to the food served in that region.” – Jerome Noël, Wine Director, Bellemore (Chicago)

“What stands out to me is the incredible diversity of indigenous varieties, terroirs, production styles, and points of access for the curious and thirsty consumer. It seems like great wine can be found for every palate and budget, and I think that is what makes it a region that so many people feel comfortable with. I love spicy, juicy, salty white wines from the Ligurian and Campanian coasts the aromatic, powerful reds from Etna in Sicily the noble tradition of Barolo and Barbaresco in the north – I could go on and on.” - Natalie Johnson, Beverage Director, Loring Place (NYC)

“Having lived in northern Italy, the wines of this country start with the people. The stewards of the land and vines care in a way that I have never seen before the vines are part of the family fabric. I love Italian wine because it speaks a language of its own, with varieties and tastes that you cannot repeat or duplicate in any other area of the world. Italian grapes and the wines they produce bring back beautiful memories every time I drink them – and I drink a lot of them!”– Jon McDaniel, Sommelier and CEO, Second City Soil (Chicago)

“The subtleties of Nebbiolo keep me wanting more. While I often know all there is to know about a modern-style wine after a few sips, traditional Nebbiolo wines evolve for hours, if not days. Traditional Italian reds, such as Chianti and Barolo, have tons of acidity, so they are extremely versatile with food and can age seamlessly for decades.” - Steven Washuta, Wine Director, Felidia (NYC)

“The truth is that every Italian region has unique grapes and incredible wines yet a commonality shared for enjoying wine with ingredient-driven, traditional food. But when asked for favorite regions to visit, I like to recommend less-traveled regions like Le Marche or Sicily or recommend ‘when in Rome’ to take a 30-minute train ride to Frascati, Cori, or Olevano. Visitors can discover some ancient grapes and beautiful stories about how wine is integrated with the culture, and the quality of these areas are showing wines as imagined during their glory days of the Roman Empire and before.” - Shelley Lindgren, Partner and Wine Director, SPQR and A16 (San Francisco)


We Asked 10 Somms: Why Do You Love Italian Wine?

Among the great wine countries of the world, Italy is one of the most diverse. The sheer variety of grapes and styles offered within the country’s 20 regions can seem intimidating at first to those looking to master its nuances, but it’s also the reason why somms are continually intrigued by Italy’s wines.

We asked some of the country’s top wine professionals what they love about Italian wine and why. The question was met with long, complex responses. Answers touched on the sense of place offered in favorite regions and grape varieties, the longevity of structure, and the wines’ incredible affinity for food. It’s clear that Italian wine has stolen the hearts – and palates – of top somms everywhere.

“Italian wine is beloved by sommeliers because no other wine nation in the world has such viticultural diversity. There are grape varieties specific to single provinces, even single towns! In terms of exploration – which is what being a sommelier is all about – nothing compares to Italy. Moreover, the overall quality level of the wines continues to rise they’re not just good because they’re weird, they’re good because they’re good!” – David Lynch, Editorial Director, SommSelect

“Italy has many grape varieties that are both traditional and obscure at the same time, which keeps sommeliers engaged. Through my travels of the countryside, particularly through Piedmont, I’ve learned to trust the quality of even the vino da tavola!” - Vahan Petrossian, Beverage Manager, Cleo (Los Angeles)

“I love Italian wine! Although the amount of indigenous varietals and specific appellations might be cumbersome to dig into, there is great reward once one is able to spend time unpacking all that is Italian wine. The diversity of styles coming from continental to Mediterranean climates, all the way from the Alps in the north, to not too far from the shores of Africa in the southern islands, make Italy a place where one can find a wine to pair with almost anything.” - Jack Mason, Master Sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“What I love most about Italian wines is that, though Italians have been making wine for thousands of years, Italian producers aren’t shackled by their history. Italian winemakers are constantly trying to find rare indigenous grapes and long-forgotten regions to make wines from, which contributes to a huge variety of delicious and unique flavors. They are also some of the most progressive winemakers in the world and frequently push the boundaries for what is possible in wine. Plus, you can get better wine, dollar for dollar, in Italy than in most places around the world.” - Joe Campanale, Owner and Beverage Director, Fausto (NYC)

“Italian wine, while extremely food-friendly, usually has enough of a certain character to be enjoyed on its own as well. Typically, there’s so much acidity and warm fruit present that you don’t have to worry about a certain dish priming the palate, or vice versa. Italian wine also ages well because there’s often a lot of tannin, fruit, and acidity involved, providing a good backbone for aging. Over a certain period of time, those components will soften or commingle in transformative ways to make secondary flavors that can only come with the passage of time.” - Chris Graeff, Beverage Director, Lumière (Boston)

“Anyone can find something they love in Italy. It is impossible to separate culture, cuisine, and wine… In Italy, every region makes wine, often from grapes found nowhere else in Europe, in a range of styles. And it’s intrinsically tied to the food served in that region.” – Jerome Noël, Wine Director, Bellemore (Chicago)

“What stands out to me is the incredible diversity of indigenous varieties, terroirs, production styles, and points of access for the curious and thirsty consumer. It seems like great wine can be found for every palate and budget, and I think that is what makes it a region that so many people feel comfortable with. I love spicy, juicy, salty white wines from the Ligurian and Campanian coasts the aromatic, powerful reds from Etna in Sicily the noble tradition of Barolo and Barbaresco in the north – I could go on and on.” - Natalie Johnson, Beverage Director, Loring Place (NYC)

“Having lived in northern Italy, the wines of this country start with the people. The stewards of the land and vines care in a way that I have never seen before the vines are part of the family fabric. I love Italian wine because it speaks a language of its own, with varieties and tastes that you cannot repeat or duplicate in any other area of the world. Italian grapes and the wines they produce bring back beautiful memories every time I drink them – and I drink a lot of them!”– Jon McDaniel, Sommelier and CEO, Second City Soil (Chicago)

“The subtleties of Nebbiolo keep me wanting more. While I often know all there is to know about a modern-style wine after a few sips, traditional Nebbiolo wines evolve for hours, if not days. Traditional Italian reds, such as Chianti and Barolo, have tons of acidity, so they are extremely versatile with food and can age seamlessly for decades.” - Steven Washuta, Wine Director, Felidia (NYC)

“The truth is that every Italian region has unique grapes and incredible wines yet a commonality shared for enjoying wine with ingredient-driven, traditional food. But when asked for favorite regions to visit, I like to recommend less-traveled regions like Le Marche or Sicily or recommend ‘when in Rome’ to take a 30-minute train ride to Frascati, Cori, or Olevano. Visitors can discover some ancient grapes and beautiful stories about how wine is integrated with the culture, and the quality of these areas are showing wines as imagined during their glory days of the Roman Empire and before.” - Shelley Lindgren, Partner and Wine Director, SPQR and A16 (San Francisco)


We Asked 10 Somms: Why Do You Love Italian Wine?

Among the great wine countries of the world, Italy is one of the most diverse. The sheer variety of grapes and styles offered within the country’s 20 regions can seem intimidating at first to those looking to master its nuances, but it’s also the reason why somms are continually intrigued by Italy’s wines.

We asked some of the country’s top wine professionals what they love about Italian wine and why. The question was met with long, complex responses. Answers touched on the sense of place offered in favorite regions and grape varieties, the longevity of structure, and the wines’ incredible affinity for food. It’s clear that Italian wine has stolen the hearts – and palates – of top somms everywhere.

“Italian wine is beloved by sommeliers because no other wine nation in the world has such viticultural diversity. There are grape varieties specific to single provinces, even single towns! In terms of exploration – which is what being a sommelier is all about – nothing compares to Italy. Moreover, the overall quality level of the wines continues to rise they’re not just good because they’re weird, they’re good because they’re good!” – David Lynch, Editorial Director, SommSelect

“Italy has many grape varieties that are both traditional and obscure at the same time, which keeps sommeliers engaged. Through my travels of the countryside, particularly through Piedmont, I’ve learned to trust the quality of even the vino da tavola!” - Vahan Petrossian, Beverage Manager, Cleo (Los Angeles)

“I love Italian wine! Although the amount of indigenous varietals and specific appellations might be cumbersome to dig into, there is great reward once one is able to spend time unpacking all that is Italian wine. The diversity of styles coming from continental to Mediterranean climates, all the way from the Alps in the north, to not too far from the shores of Africa in the southern islands, make Italy a place where one can find a wine to pair with almost anything.” - Jack Mason, Master Sommelier, Pappas Bros. Steakhouse (Houston)

“What I love most about Italian wines is that, though Italians have been making wine for thousands of years, Italian producers aren’t shackled by their history. Italian winemakers are constantly trying to find rare indigenous grapes and long-forgotten regions to make wines from, which contributes to a huge variety of delicious and unique flavors. They are also some of the most progressive winemakers in the world and frequently push the boundaries for what is possible in wine. Plus, you can get better wine, dollar for dollar, in Italy than in most places around the world.” - Joe Campanale, Owner and Beverage Director, Fausto (NYC)

“Italian wine, while extremely food-friendly, usually has enough of a certain character to be enjoyed on its own as well. Typically, there’s so much acidity and warm fruit present that you don’t have to worry about a certain dish priming the palate, or vice versa. Italian wine also ages well because there’s often a lot of tannin, fruit, and acidity involved, providing a good backbone for aging. Over a certain period of time, those components will soften or commingle in transformative ways to make secondary flavors that can only come with the passage of time.” - Chris Graeff, Beverage Director, Lumière (Boston)

“Anyone can find something they love in Italy. It is impossible to separate culture, cuisine, and wine… In Italy, every region makes wine, often from grapes found nowhere else in Europe, in a range of styles. And it’s intrinsically tied to the food served in that region.” – Jerome Noël, Wine Director, Bellemore (Chicago)

“What stands out to me is the incredible diversity of indigenous varieties, terroirs, production styles, and points of access for the curious and thirsty consumer. It seems like great wine can be found for every palate and budget, and I think that is what makes it a region that so many people feel comfortable with. I love spicy, juicy, salty white wines from the Ligurian and Campanian coasts the aromatic, powerful reds from Etna in Sicily the noble tradition of Barolo and Barbaresco in the north – I could go on and on.” - Natalie Johnson, Beverage Director, Loring Place (NYC)

“Having lived in northern Italy, the wines of this country start with the people. The stewards of the land and vines care in a way that I have never seen before the vines are part of the family fabric. I love Italian wine because it speaks a language of its own, with varieties and tastes that you cannot repeat or duplicate in any other area of the world. Italian grapes and the wines they produce bring back beautiful memories every time I drink them – and I drink a lot of them!”– Jon McDaniel, Sommelier and CEO, Second City Soil (Chicago)

“The subtleties of Nebbiolo keep me wanting more. While I often know all there is to know about a modern-style wine after a few sips, traditional Nebbiolo wines evolve for hours, if not days. Traditional Italian reds, such as Chianti and Barolo, have tons of acidity, so they are extremely versatile with food and can age seamlessly for decades.” - Steven Washuta, Wine Director, Felidia (NYC)

“The truth is that every Italian region has unique grapes and incredible wines yet a commonality shared for enjoying wine with ingredient-driven, traditional food. But when asked for favorite regions to visit, I like to recommend less-traveled regions like Le Marche or Sicily or recommend ‘when in Rome’ to take a 30-minute train ride to Frascati, Cori, or Olevano. Visitors can discover some ancient grapes and beautiful stories about how wine is integrated with the culture, and the quality of these areas are showing wines as imagined during their glory days of the Roman Empire and before.” - Shelley Lindgren, Partner and Wine Director, SPQR and A16 (San Francisco)



Comentários:

  1. Naomhan

    A quem posso perguntar?

  2. Momuro

    Registre -se especialmente para participar da discussão.

  3. Najar

    Voltaremos ao tópico

  4. Dakinos

    Além disso, faríamos sem a sua ideia notável

  5. Meliadus

    Neste algo está. Antes de pensar o contrário, obrigado pela ajuda nesta pergunta.

  6. Meztishicage

    Delírios excepcionais, na minha opinião

  7. Keegan

    Claro, sinto muito, mas esta opção não combina comigo.



Escreve uma mensagem